Vaidade em excesso é sinal de autoestima baixa?

Busca excessiva pela beleza pode indicar necessidade de olhar com mais atenção para questões emocionais

Você já se perguntou porque quer mudar seu visual? As pessoas geralmente buscam por meio de dietas, exercícios físicos e tratamentos estéticos a aparência que desejam. Vamos refletir juntos sobre quando a busca pela beleza passa a ser excessiva e sinaliza um problema de autoestima?

Corpos perfeitos? Primeiramente, eles não existem mesmo! Podemos até achar um corpo esteticamente mais belo do que o outro, mas isso não implica sobre funcionalidade e boa saúde. Além disso, por mais que algumas pessoas busquem uma estética ideal e até uma eterna jovialidade, todo corpo envelhece a cada dia – ainda que haja disciplina e alimentação saudável.

Também temos que entender que existem diferentes biotipos. Todo mundo conhece aquela pessoa que come de tudo, não pratica exercícios e mesmo assim, é magra e não acumula gordura. Alguns corpos já reagem de forma totalmente diferente e para se manterem magros, é preciso seguir uma dieta equilibrada para respeitar seu metabolismo.

Nosso metabolismo tende a diminuir o ritmo a cada ano. O organismo aumenta a busca pelo acúmulo de gordura e passa por mudanças internas e externas, que exigem um cuidado cada vez maior não só relacionada à estética quanto a um estilo de vida mais saudável. Ou seja, uma alimentação mais leve, atividades físicas adequadas às possibilidades do corpo e maior atenção ao sono.

 

ULTRAPASSANDO LIMITES

Há casos em que as pessoas seguem uma alimentação que desrespeita completamente a fome e as necessidades básicas do corpo. Isso geralmente acontece porque esse indivíduo não aceita de jeito nenhum seu corpo e sempre se sente mal com seu corpo, pois nunca se sente bem consigo mesmo.

Essa visão distorcida sobre como é o próprio corpo frequentemente ocasiona doenças como a anorexia e a bulimia que em muitos casos acompanham a compulsão alimentar. Pessoas com esses distúrbios costumam tomar atitudes agressivas com o corpo para perder peso, fazendo mal a si mesmas. Muitas delas agem assim de maneira inconsciente e é sempre uma pessoa ao seu redor que acaba percebendo esse tipo de maltrato com o organismo e chama a atenção da pessoa com esses hábitos alimentares tão prejudiciais à saúde física e mental.

Tem ainda os casos de vigorexia. Também conhecida por Síndrome de Adônis ou Transtorno Dismórfico Muscular, que é uma doença psicológica em que o indivíduo se enxerga magro ou pouco forte, quando na verdade tem músculos bem desenvolvidos. Os portadores dessa síndrome costumam tomar hormônios (anabolizantes), sem nem mesmo saber a procedência, para ficarem mais musculosas e sem gordura no corpo. As pessoas  que seguem nesta busca geralmente querem encontrar resultados de maneira rápida, sem respeitar as etapas naturais que o corpo passa. Essa atitude é um golpe silencioso ao próprio corpo e demonstra pouquíssima preocupação com as consequências.

Para ter uma vida saudável é importante evitar cair em armadilhas feitas por pessoas do seu meio que usam hormônios e químicas “milagrosas”. É sempre bom desconfiar se um bom médico iria te receitar medicações que podem afetar a sua saúde, causando insônia, irritação, agressividade, depressão, acne, perda de cabelo, mudança de tom de voz e mudanças bruscas no organismo, além de doenças mais severas.

Quantos casos já foram relatados pela mídia de pessoas que acabaram gerando doenças graves em seus corpos e até morreram por causa de exageros em prol da vaidade? Será que fazer qualquer coisa com o próprio corpo vale a pena para caber no padrão de beleza do momento? E que padrão de beleza é esse que faz com que as pessoas fiquem excessivamente preocupadas com sua imagem ao ponto de se fazerem mal a curto e a longo prazo? Por que viver uma vida aprisionada correndo atrás de um modelo de beleza que pode não ser o seu? Por que viver uma vida em busca de uma alimentação completamente organizada em prol da beleza, se esquecendo que seu corpo é uma máquina que precisa de alimentos nutritivos para funcionar bem?

 

A PERFEIÇÃO DAS REDES SOCIAIS: MAS E O QUE HÁ POR TRÁS?

É importante estar atento às armadilhas do que pregam os blogueiros sobre o assunto. Eles dizem que seguem dietas muito restritivas, mas esquecem de mencionar que seus corpos são o resultado de muito exercício físico e tratamentos estéticos como massagens modeladoras, uso de hormônios e outros procedimentos camuflados, inclusive uso de aplicativos para mudar suas curvas. A pergunta que eu sugiro é: devemos mesmo acreditar que essas pessoas que se dizem muito disciplinadas e vendem essa ideia não fogem da dieta? Será mesmo que esse produto que é vendido realmente leva à uma eterna felicidade ou faz com que seus seguidores se sintam incapazes de viver bem dentro dos seus corpos?

Tem muita gente venerando esse tipo de influenciador digital que dita moda sobre o corpo, mas a verdade é que ninguém conhece de fato essas pessoas. Só podemos enxergar o que elas “vendem” em suas redes sociais, local em que nem sempre mostram seus pontos fracos e fugas da rotina. Em muitos casos, só vemos exemplos de pessoas que cultuam a vaidade em excesso, mas não respeitam a carne em que habitam, muito menos suas emoções e seus sentimentos.

 

 

Artigo publicado no Jornal Metro:

https://www.metrojornal.com.br/personare/2019/08/14/vaidade-excesso-sinal-autoestima-baixa.html

 

Artigo publicado no Personare:

https://www.personare.com.br/vaidade-autoestima-baixa-m50335

COMPARTILHE: